segunda-feira, 28 de novembro de 2016

Se me olham - Marize Castro

Por que quase tudo perdi,
         tornei-me sem adereços.
Nada existe que me tire
            de mim mesma.
Nem mesmo esses cadáveres
de plástico em seus simulácros
               de alasbastro.
Se me olham, não me alcançam.
Nem ouvem o que a minha alma diz:
Não quero mais o que jamais quis.


Poema retirado do livro Lábios-espelhos, publicado em 2009 pela editora Uma

Nenhum comentário:

Postar um comentário